Combatendo a corrupção?

Na noite da última quinta-feira, uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral repercutiu em diversos sites noticiosos: os políticos que não tiverem suas contas aprovadas não poderão concorrer nas eleições deste ano. Até o momento, são 21 mil políticos que tiveram as contas desaprovadas em eleições anteriores. O registro para concorrer a um cargo só pode ser obtido mediante a quitação eleitoral.

Em 2010, bastava que o candidato apresentasse suas contas, independentemente de elas serem aprovadas ou não. Com a decisão, agora o político só poderá concorrer se sua prestação de contas for aprovada.

No entanto, como tudo tem o seu porém, situações mais antigas serão analisadas caso a caso. E é nesse detalhe que podem surgir algumas das brechas que sempre acabam burlando a lei. Não é assim que funciona?

No mesmo ano em que o Fórum da Liberdade completa 25 anos, a população passará por mais uma etapa eleitoral. Em 2010, o projeto “Ficha Limpa” foi muito bem-vindo. Todavia, muitos dos que foram considerados “Fichas Sujas” foram absolvidos e disputaram as eleições. Será que a nova decisão vai realmente ajudar a combater políticos que sempre acabam dando um “jeitinho” de se candidatar?

Venha debater o assunto aqui no blog e participe do 25º Fórum da Liberdade, no qual a questão será debatida no painel “Corrupção e Desafios da Democracia Brasileira”.

FacebookShare

A anatomia das soluções

Em sua última edição de janeiro, a revista Época chegou às bancas propondo desvendar o que muitos já conhecem, a anatomia da corrupção. Uma sugestão um tanto quanto complicada, visto que tanto acontece por aí, não?

Da análise, sete foram as modalidades evidenciadas: furtos por meio de obras, eventos, serviços de qualificação profissional, ementas parlamentares, ONGS, contratos de publicidade e consultorias. Exemplos de cada uma delas não faltam, e é por isso que a corrupção e os desafios da democracia brasileira serão tema de painel do 25º Fórum da Liberdade.

A matéria, porém, não é feita só de evidências. Depois que a anatomia foi feita, uma nova e encorajada proposta é apresentada. Que tal pensar em como diminuir a corrupção? Tomando por base as experiências de outros países, quatro novas sugestões são dadas: tornar a justiça mais ágil para punir os corruptos, diminuir o número de nomeações, aumentar o poder e a especialização dos órgãos fiscalizadores e garantir o funcionamento efetivo da lei de acesso à informação.

As ideias são válidas, mas o que falta para serem colocadas em prática? A corrupção é um desafio da democracia brasileira, de uma nação realmente democrática. É desafio porque as medidas devem ser propostas, cobradas, exigidas e fiscalizadas. Muitos ficam apenas no protesto, mas será que só isso adianta? Boas ideias talvez possam ser úteis também. Já pensou em uma “anatomia das soluções”? Venha debater as raízes e as possíveis soluções para diminuir a corrupção brasileira. Traga seus questionamentos e opiniões aqui para blog, para já começarmos a discussão!

FacebookShare

Corrupção brasileira será debatida em painel do Fórum da Liberdade

Você já ouviu falar no Mapa da Corrupção Brasileira? Criado pela editora de imagens Raquel Diniz, o aplicativo foi lançado no Google Maps neste ano.  Os 20 casos iniciais que constavam na ferramenta passaram para 200 registros de desvio de conduta dos políticos brasileiros. São mais de 120 mil acessos, sendo todos os casos alimentados pelos internautas. Pelo que se percebe, alguma coisa parece estar errada no que se refere à corrupção na política brasileira. Alguém se arriscaria a dizer o contrário?

Uma reportagem publicada na revista Veja revelou que o custo da corrupção no Brasil é de R$ 82 bilhões por ano, o que representa 2,3% do PIB.  Dentre as principais causas da corrupção, foram apontadas: instituições frágeis, hipertrofia do Estado, burocracia e impunidade. Além disso, os jornalistas fizeram uma comparação com outros países. Para se ter uma noção das disparidades: o governo brasileiro emprega 90.000 pessoas em cargos de confiança, enquanto nos Estados Unidos, esse número é de 9.051 e, na Grã-Bretanha, de cerca de 300. Mais uma vez, a mesma constatação, alguma coisa parece estar errada.

É por isso que “corrupção” é um dos assuntos que serão discutidos no Fórum da Liberdade, já que a questão traz consigo sérias consequências para os brasileiros. Afinal, quem paga essa conta somos nós. 2008, 2009, 2010 e 2011 foram anos de grandes escândalos relacionados à corrupção. Compra de votos, emparelhamento dos cargos públicos e desvio de verbas por meio de laranjas são apenas alguns dos exemplos dos acontecimentos. E o que mudou desde então? O termo pizza ficou conhecido e recorrente porque muito pouco ou, em muitas das vezes, nada é feito.

Quais os desafios dos próximos 25 anos para diminuir e, quem sabe, sanar a questão? Por onde devemos começar? Basta trocar pessoas ou cargos? Basta punir se há a possibilidade de absolver? O que precisa ser modificado e em que a sociedade pode contribuir? O que você propõe para isso?

FacebookShare